Fazenda São Luis

A fazenda São Luis começou no século XIX com a produção de pecuária. Nos anos seguintes, transitou na plantação de várias monoculturas como algodão, café e atualmente, cana-de-açúcar. No entanto, hoje há uma percepção de que a monocultura degrada o solo e lençóis freáticos.

Com essa idéia, Rodrigo, dono da fazenda, resolveu trabalhar com várias culturas como arroz, milho, feijão, e outros, continuando com a cana-de-açúcar simplesmente para se manter economicamente: “eu faço porque tem que pagar a luz no fim do dia”. Esse processo pode ser chamado de Agrofloresta. 

A agrofloresta, segundo o Mutirão Agrofloresta – um movimento que procura conscientizar as pessoas para o uso desta agricultura – é: 

“A reintegração do homem com a natureza que resulta em um ambiente autodinâmico e produtivo, análogo aos ecossistemas originais e manejados segundo o fluxo da sucessão natural”(MUTIRÃO AGROFLORESTAL)

Agrofloresta também é:

● Participação do ser humano na dinâmica da natureza

● Interface da agricultura com a floresta

● Promoção da Biodiversidade

● Aceleração da sucessão ecológica - rapidez nos processos de restauração

● Trabalho a partir da aptidão, combinação e função das plantas no ecossistema

● Conservação dos recursos naturais aliada à produção = viabilidade econômica

(http://www.fazendasaoluiz.com/agrofloresta.htm)

Ele sabe que a agrofloresta vai na contramão da demanda, mas lança uma pergunta: “Se você vai ter lucro hoje, você vai ter solo amanhã?” Esse é o principal questionamento de Rodrigo, já que ele pensa na conseqüência da monocultura no futuro, ou seja, o que esse tipo de plantação pode trazer como resultados nas gerações futuras e no plantio.

Pesquisar no site

© 2009 Todos os direitos reservados.